Desafios e Perspectivas para Docência Superior

Formação de professores para o Ensino Superior Teológico

I – INTRODUÇÃO

A formação de professores para a Docência do Ensino Superior tem sido objeto de estudos e pesquisas e indica a necessidade de análises que se afastem da concepção meramente técnica. A estrutura das operações universitárias, de modo geral, gira quase sempre em torno do eixo individual (turma, pesquisa, publicações, formação, etc.). Com a formação ocorreu algo semelhante, uma vez que, tradicionalmente, a formação dos professores universitários foi considerada incumbência deles próprios e tem ficado em suas mãos a decisão de buscá-la, com relação ao tipo e em que momento isso ocorrerá. A conseqüência imediata disso é que, quando existe, a formação está direcionada à resolução de necessidades individuais dos professores ou a seus interesses particulares. Sendo assim, esse é um estilo de formação que cada professor faz parte se o quiser e está centrada no que cada professor deseja.

No outro pólo, estão as necessidades das instituições de ensino superior.. Como instituição, elas precisam de profissionais capazes de enfrentar os novos desafios que vão se apresentando. Nesse sentido surge um grande dilema entre uma formação para o desenvolvimento pessoal ou uma formação para a resolução das necessidades da instituição. Pode-se, no entanto buscar uma formula intermediária neste processo de formação, no qual se estabeleça um equilíbrio entre as necessidades individuais e institucionais.

O SENTIDO E A RELEVÂNCIA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR

As instituições de Ensino Superior são fortemente marcadas pelas ideologias neoliberais e posições conservadoras, o que tem induzido à reorientação dos sistemas educacionais, na perspectiva de fazer valer o Mercado como eixo das definições políticas nesse campo. Nesta perspectiva constitui-se em elementos basilares o questionamento sobre a finalidade da própria universidade – sua crise de identidade, a dicotomia entre sua função de profissionalizar e produzir conhecimento, a crise de autonomia perante o estado, a sua organização interna frente às demandas externas, massificação e progressiva heterogeneidade dos alunos, a redução de investimentos, nova cultura de qualidade, novas orientações na formação, incorporação de tecnologias de comunicação e informação, novos sistemas de gestão e formação e profissionalização docente.

A partir destes elementos, focamos nesta investigação  temática a Formação do Professor de Ensino Superior Teológico e sua importância no cenário sociológico do Brasil, tendo em vista o crescimento vertiginoso da população cristã-evangélica em nossa nação. Os desafios de se formar um professional que de fato prepare esta geração para os enormes desafios que temos pela frente pelo fato de vermos a sociedade brasileira sendo influenciada por uma ética cristã-evangélica. A identidade deste profissional que aperfeiçoará o “Dom” de Mestre sera de fundamental importância na formação de uma nova mentalidade do povo que professa ser seguidor de Jesus Cristo.

Assim, a valorização e construção da identidade docente é de fundamental importância neste momento, como o reconhecimento do professor como ser humano e como profissional sensibilizado e estimulado para o seu autodesenvolvimento. A formação, que não é neutra, exigida para docência no ensino superior tem se concentrado no conhecimento aprofundado de determinado conteúdo, seja ele prático (decorrente do exercício profissional) ou teórico/epistemológico (decorrente do exercício acadêmico, do “éthos acadêmico”, que é a identificação fundamental do trabalho universitário com a pesquisa).

A formação de docentes para o ensino superior teológico, no sentido de qualificação científica e pedagógica, é um dos fatores básicos da qualidade dos estudos desenvolvidos e este tem sido um dos fatores explicativos do aumento progressivo de Programas de Formação Continuada nesta área. Pesquisas realizadas apontam que a grande maioria dos professores na area teológica possui lacunas na sua formação pedagógica e atuação docente e demonstram dificuldades na adoção e utilização de novas metodologias, estratégias e materiais de apoio. Os professores, quando chegam à docência no ensino superior teológico, trazem consigo inúmeras e variadas experiências do que é ser professor, pastor e teólogo. Essas experiências que muitas vezes guiaram sua opção profissional, vão guiar suas escolhas pedagógicas e até mesmo seu relacionamento com os alunos. Experiências que lhes possibilitam dizer quais eram bons professores. Espelham-se nos professores que foram significativos em suas vidas, isto é, que contribuíram para a sua formação pessoal e profissional.

A relação entre quem ensina e quem aprende e os inúmeros fatores que envolvem essa complexa relação no meio teológico cristão, parece ainda estar obscura ou mesmo pouco revelada, uma vez que há pouco investimento nesta discussão e na formação didático-pedagógica dos docentes iniciantes ou veteranos. O exercício da profissão de docente requer uma sólida formação, não apenas nos conteúdos científicos próprios da disciplina, como também nos aspectos correspondentes à sua didática, ao encaminhamento das diversas variáveis que caracterizam a docência, sua preparação e constante atualização. Para ensinar é preciso saber, o que, como e quais recursos devem ser mobilizados, eleitos e justificados, portanto, trata-se de uma atividade intencional, formal com objetivos que devem ser alcançados.

Já é de conhecimento da academia que muitos bons pesquisadores não conseguem ter o mesmo nível de qualidade na docência. O que se espera dos professores, em qualquer nível de formação de professores para o ensino superior é que assumam com competência e responsabilidade a tarefa de ensinar, para que a maioria de seus alunos desenvolva uma atividade intelectual significativa, e aproprie-se de saberes fundamentais que possibilite sua inserção ativa e comprometida na sociedade.

Concluindo, temos neste tempo um enorme desafio: formarmos docentes capacitados que serão capazes de gerar nesta e nas próximas gerações uma nova mentalidade de conquistas responsáveis no campo eclesiástico.

 

Reitor da FATEF: Walter Cristie Silva Aguiar